junho 16, 2017

psycho killer (parte 2)

© Kelly Reemtsen

Duarte acendeu o isqueiro. O anjo aproximou-se e acendeu o cigarro. Confirmou que a voz de anjo conduzia mesmo a um anjo. Cabelo negro, brilhante, pouco abaixo do ombro, olhos verdes, lábios de contornos perfeitos. Um rosto que no seu todo emitia uma aura, como é expectável num ser divino. Vestido preto, pouco acima do joelho, e costas desnudadas de pele brilhante, parecendo seda.

- por favor, sirva-me outro, e outra bebida para a senhora.

O intuito era claro, perceber se de facto estava na presença de uma mulher, um anjo, ou era uma visão fruto do álcool.

- a senhora tem nome?
- Sara. Mas o nome não faz a pessoa. É o inverso, a pessoa é que faz o nome. Ou seja, é o que o faz que conta.
- pois é... Eu sou Duarte, e o que faço está à vista.
- não se martirize, conheço o género. O meu pai morreu dessa morte lenta.

Ficou aquele silêncio audível, cómico até, de duas pessoas que querem falar mas não sabem o que dizer, partilhado com sorrisos.

- sabes...
- não diga nada. Eu sou tola, e acabo sempre por me apaixonar por quem... enfim, por quem já tem problemas que chegue.

Duarte estava sem palavras. Um anjo apaixonar-se por ele? Afinal Deus existia, era o sinal. Tamanha beleza não precisava de palavras, não queria saber nada dela, só ama-la em seus braços.

- desculpe, isto é repentino. É um disparate, mas acho sempre que posso salvar pessoas, talvez por não ter salvo o meu pai.
- confesso que nem sei o que dizer...
- não diga nada, vamos começar do principio, por favor!

Neste mesmo instante, dois homens de gabardine creme aproximaram-se. Um deles algemou Sara. Num gesto repentino Duarte levantou-se, mas logo sentiu a mão do segundo homem a empurra-lo de forma ligeira para o banco.

- fique sentado, tenha calma.
- mas afinal que palhaçada é esta! - gritou Duarte
- Já lhe explico, acalme-se. Antunes leva-a para o carro.

Sara olhou para trás, para Duarte, e sorriu. Mandou-lhe um beijo.

- faz o favor de me dizer quem é, e o que é que se passa aqui?
- acabei de lhe salvar a vida...
- o Sr. é louco, e vai ter que se explicar.
- acalme-se se faz favor. Sou o Inspector I., trabalho na Polícia. Esta senhora é uma psicopata, e assassina. Estamos em crer que matou 6 homens, todos alcoólicos.
- matou? Como?
- seduzia-os. Levava-os para sua casa, drogava-os, e depois ainda com vida cortava-os aos bocados. É como lhe digo, acabei de lhe salvar a vida.

Duarte olhou para o barman, e fez sinal.

- mais um, puro, por favor.
- ouça o álcool vai matá-lo. Hoje salvei-lhe a vida, mas do álcool preciso da sua ajuda, preciso da sua vontade de viver.
- Inspector, estou cansado desse discurso moral. E afinal o que lhe interessa a minha vida?

Neste instante o Inspector já tinha virado costas. Mas Duarte ainda ouviu as suas palavras:

- Ainda há pouco pedias a Deus por sinais. Não consigo dar-te sinal maior.

Fim.



psycho killer
by
Talking Heads


bom seria que o Impontual escrevesse o epílogo desta pequena brincadeira.

talvez o whiskey fosse ordinário, e o Duarte alucinou. Mas mais cego é o que não quer ver, ou teve mais sorte que juízo, ou voçês é que sabem...

e se Deus existisse assim mesmo?













21 comentários:

  1. se calhar, não merecia a sorte de uma morte piedosa...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso depende de ti (autor), como é que ele chegou ali?

      Eliminar
    2. Os caminhos que conduzem a uma dependência são vários, os mais comuns a morte de um ente querido, um passado de violência, um amor perdido...
      Deixo ao teu critério um passado que implique uma morte não piedosa :)

      Eliminar
  2. Cada vez mais dou comigo a concordar com o adágio “não existem coincidências” ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em cheio!
      Não acredito de todo em coincidências :) e essa é sem dúvida um dos motores desta pequena história.

      Abraço

      Eliminar
  3. Há sinais que chegam de forma imperceptível... E o Universo é um sítio estranho!

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso mesmo!
      Eu acredito que muitos sinais passam à nossa frente e nós não vemos.
      :)

      Eliminar
  4. Só nós nos podemos salvar de nós próprios
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acredito nisso.

      Mas todos precisam de ajuda que às vezes não conseguem ver!

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    3. Vamos ver se agora o texto vai todo :)
      Todos nós precisamos de ajuda. Saber aceita-la, reconhece-la é parte da salvação que está em nós. Não se ajuda quem não sabe ou não quer ser ajudado...

      Eliminar
  5. A bebida seguinte seria não para esquecer mas para celebrar a sorte. E isto de haver sempre uma razão para mais um copo não resolve o problema. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahaha pois é, sempre uma boa desculpa para mais um copo!

      Mas acho que este aprendeu a lição :)

      ou não...

      Eliminar
  6. Muito bom.
    Ainda não tinha chegado a hora de Duarte. :)

    ResponderEliminar
  7. Ver os sinais não basta tem de se levar com eles para a cabeça abaixo estou em crer... ;))) só aí se clareia a visão.
    Muito bom, Miguel

    ResponderEliminar
  8. Ah, meu caro Bondurant, isto está tão bem contado! E agora como é que descalço esta bota? Com os acontecimentos dos últimos dias o que dava mesmo era emborcar uma dose tripla de whisky e esquecer. Mas vamos a ver de arranja um epilogo razoável para a mais que bem contada história do Duarte.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ilustre, que alegria vir a ver o epílogo desta pequena história lá no seu espaço.
      Estou em crer que o Duarte até é bom rapaz, mas não cabe nesta história contá-lo.

      Obrigado, abraço

      Eliminar