agosto 29, 2017

ousadia

transparency
© Fanny Nushka


era em ti que me ia esconder
dentro dos teus negros olhos
refugiado nos teus cabelos
protegido no teu regaço
era em ti que ia viver
a respirar o calor do teu corpo
fortalecido na ternura dos teus braços
escondido no bater do teu coração
ousei
usar-te como refúgio
do meu triste viver
não é de desculpas que falo
é do que não vês
do que nunca irás sentir
não há maior ousadia que viver no outro

26 comentários:

  1. Já eu penso que viver no outro não tem nada de ousado.
    Ousado mesmo, é viver com o outro. E encontrar nas diferenças o lugar certo.

    Boa noite IL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje em dia viver com o outro está banalizado. As pessoas juntam-se e largam-se a uma velocidade meteórica.
      Viver no outro, além do amor e da vontade, implica respeitar o espaço sagrado do outro.
      Bom dia NN

      Eliminar
    2. Que seria do amarelo, se todos gostassem do azul :-)

      Tem razão, quanto ao casa e descasa, dos grandes “amores” que morrem ao primeiro amuo. Fogos de palha, de paixões que, quando acabadas nada têm como suporte.
      Num mundo de egos inflamados, encontrar o equilíbrio nas diferenças que nos caracterizam, para amar o outro sem sufocar, cuidar sem castrar, é ousadia pra xuxu.
      No final, acho que falamos do mesmo.

      Bom dia Miguel

      Eliminar
    3. :)))
      sem sombra de dúvida estamos no mesmo comprimento de onda nesta matéria!

      Eliminar
  2. Maior ousadia e maior loucura:). Muito bom, Miguel. Boa noite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. às vezes é o que falta ousadia temperada com loucura :))))

      boa dia Anouk

      Eliminar
  3. Respostas
    1. isto aqui é muito dado a boas loucuras :)))

      Eliminar
  4. Sim, meu caro Bondurant. O tempo está mesmo bom para se dançar nas bordas do abismo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro, estou ciente que a expressão risco controlado não se aplica nestas matérias, mas vamos convir que morna seria a vida sem correr riscos.
      abraço

      Eliminar
  5. ... e viver no outro, morando fora dele, será o quê?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. um problema.

      cuja solução tu sabes qual é.

      dói, mas é inevitável a mudança.

      beijinhos Vi

      Eliminar
  6. Então Miguel, 8, 80 ou 88 ;)
    Estou numa de medir o equilíbrio louco dos extremos.
    Vá, fica um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu li o teu nem 8 nem 80 :)

      Sabes que não sou o melhor ponto de equilíbrio de nada, e pior, acho que alcançar esse equilíbrio roça a insanidade :)
      Beijo

      Eliminar
  7. ...felizes dos audazes que ousam!
    Bom dia Miguel ;)

    ResponderEliminar
  8. Se viver em nós é já um exercício insano - falo por mim, claro - viver no outro é a loucura total. Mas…VIVER, em nós ou no outro, é sempre um acto de louca e corajosa ousadia.
    Então, sejamos audazes e loucos, mas que VIVAMOS! E que a coragem nunca nos falte.

    VIVA meu amigo, VIVA! (sorriso)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Misty... Misty... Misty
      Vai lá viver, vai lá
      :)))
      Há previsões que não se falham! Vive feliz :)

      Eliminar
  9. Olá Miguel, venho convida-lo a uma dança!

    Um slow! :))

    https://youtu.be/lGHcJ_-Hhps

    Espero que o faça sentir bem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Scandalous :)

      Muito honrado, obrigado, sabe muito bem!

      A Flor sabe que sou mais de tango :)

      (pode usar, se quiser, a segunda pessoa do singular no trato)

      beijinhos

      Eliminar
  10. Ir "esconder-se" nele ou nela, é uma atitude, que me agrada, mas o Miguel, que "sofre" de loucura intermitente (olha, que sorte, a sua! Rs) e que escreve muito bem, sabe que sentir a quentura, o abrigo do corpo do outro, porque, afinal, é isso que procuramos, é bom e consola-nos o viver, que fica mto menos triste, mas, infelizmente, eles, os "abrigadores" não conseguem nem entender o quão bom tal é. Insuficiências e insensibilidades, é o do que se trata. Mas que fazer?

    A pintura condiz mto bem com o seu poema. Continue a "usar" e a ousar, pke ela não dá por nada. Há gente inóspita e distraída, propositadamente ou não, já nós sabemos.

    Um beijo com estima.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Céu :)

      Não sei se mereço palavras tão simpáticas, mas olhe que acertou, os "abrigadores", como lhes chamou não sabem o que perdem, na maioria das vezes :)

      Apareça :)
      beijinhos

      Eliminar
  11. Olá, Vítor!

    Ora essa! Merece, e com propriedade, tudo aquilo que disse no comentário acima. eEeve com punho e sabe morfologia e sintaxe, que é "coisa" pouco vista, hoje em dia.

    Pois, eles, abrigadores, não conseguem entender aquilo de que poderiam usufruir, mas há "incapacidades" várias, e esta é de amais de 60% (rs).

    Irei aparecendo, sim, e já agora faço-lhe o mesmo pedido. Só publico, geralmente, uma vez por mês, portanto, há tempo e espaço.

    Beijinho com mto apreço.

    ResponderEliminar
  12. Ousadia que, por vezes, se paga cara...
    ...quando o outro(a) não é o certo(a)...

    Tenho uma coisa para ti (checa o mail) :)

    ResponderEliminar
  13. Sou muito controladora, então é mais fácil que alguém viva em mim... o que também é insano.

    Belíssimo!

    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deixar alguém viver em nós dessa forma é muito insano :) mas é bom!

      Beijinhos

      Eliminar